HPLHCM Lisboa
Início > Notícias
.
Por ocasião dos 50 anos da criação do GTH
Município de Lisboa homenageia hoje ex-colaboradores do GTH
19-05-2009

O Município de Lisboa vai celebrar os 50 anos da criação do Gabinete Técnico de Habitação com uma sessão de homenagem aos ex-colaboradores do GTH e uma exposição sobre o trabalho pioneiro deste organismo, a quem Lisboa deve Olivais Norte, Olivais Sul e Chelas. A iniciativa insere-se no Programa Local de Habitação e tem o apoio da Comissão Permanente de Habitação, Reabilitação Urbana e Bairros Municipais da Assembleia Municipal.

A homenagem terá lugar no Fórum Lisboa, no próximo dia 19, terça-feira, a partir das 18.30 e inclui uma intervenção dos Presidentes da Câmara e da Assembleia Municipal, seguindo-se a entrega de diplomas aos homenageados e a inauguração de uma exposição comemorativa do trabalho do GTH, organizada pela equipa do PLH.

O GTH, criado como serviço municipal há 50 anos, subsistiu até 1990 e contribuiu de forma inovadora para a expansão urbanística da cidade de Lisboa e para o acesso à habitação de muitas famílias. Foi um verdadeiro laboratório reformista, através de operações de grande escala, inéditas no quadro nacional. A intervenção maciça de arquitectos e outros técnicos no maior conjunto de habitação social até então planeado foi uma escola de projecto colectivo e multi-disciplinar. Actuou inicialmente nas zonas definidas pelo Decreto-Lei n.º 42.454 de 1959 – Olivais Norte, Olivais Sul e Chelas –, visando resolver a crise habitacional em Lisboa.

Alguns aspectos relevantes dos processos lançados pelo GTH foram:
- Representação fidedigna dos princípios da Carta de Atenas (Olivais Norte), como em poucos casos na Europa
- Intervenção da arquitectura paisagística
- Pioneira integração de arte pública em habitação social (Olivais)
- Aposta no espaço público (Chelas) como princípio do desenho urbano.

Ao exercício técnico, juntou-se o papel interventivo na sociedade, num período particularmente intenso de inquietude, em que o novo e a modernidade podiam ser vistos como abertura, para uns, e ameaça, para outros.

Entre os cerca de 900 homenageados, encontram-se figuras destacadas do urbanismo e da arquitectura portuguesa, como os arquitectos José Rafael Botelho, Nuno Teotónio Pereira, Bartolomeu da Costa Cabral, Álvaro Dentinho, Manuel Tainha, Duarte Castel-Branco, Francisco Silva Dias, Nuno Portas, António Reis Cabrita, Raul Hestnes Ferreira, Tomás Taveira, Luís Vassalo Rosa, Carlos Duarte e Gonçalo Byrne ou os engenheiros Aquilino Ribeiro Machado, Jorge de Carvalho Mesquita, Ruy Poole da Costa e José Rumina Dinis, entre muitos outros.